JavaScript must be enabled in order for you to see "WP Copy Data Protect" effect. However, it seems JavaScript is either disabled or not supported by your browser. To see full result of "WP Copy Data Protector", enable JavaScript by changing your browser options, then try again.
Fazenda Água Santa, Chácara 21 - Núcleo Rural Oeste - Ceilândia Norte/DF
É POSSÍVEL VIVER SEM DROGAS/ÁLCOOL
Comunidade Terapêutica: Relação do uso de maconha e a esquizofrenia
#institutoabbapai #comunidadeterapeutabrasilia
Comunidade-Terapeutica-ABBA-PAI-Comunidade-Terapêutica-Relação-do-uso-de-maconha-e-a-esquizofrenia

Durante anos, houve um debate nos círculos profissionais e públicos sobre a relação entre esquizofrenia e a maconha. Dada a ampla legalização da maconha em alguns países e a resultante crescente aceitação da droga, surgiu a questão de saber se existe uma ligação entre esquizofrenia e maconha.

Além disso, esse tema chama a atenção devido ao grande número de adolescentes que usam maconha. De acordo com um estudo de 2018, quase 40% dos adolescentes nos quais a maconha é legalizada fumam maconha.

De acordo com um estudo na Dinamarca, a proporção de casos de esquizofrenia associados ao uso problemático de maconha aumentou nos últimos 25 anos.

Em 1995, 2% dos diagnósticos de esquizofrenia no país estavam associados a um transtorno por uso de cannabis. Em 2000, havia subido para cerca de 4%. De acordo com o levantamento, desde 2010 esse número subiu para 8%.

A esquizofrenia é diagnosticado como um transtorno mental crônico, de nível grave e incapacitante. Os sintomas podem incluir delírios, pensamento anormal e alucinações. Em todo o mundo, a esquizofrenia afeta 20 milhões de pessoas. Não há cura, então os médicos tentam controlar os sintomas com medicamentos e terapia.

Quais são os primeiros sinais de esquizofrenia?

Se alguém não é geneticamente suscetível à doença, é improvável que fumar maconha cause sintomas esquizofrênicos. No entanto, não há teste para essa suscetibilidade genética, e a esquizofrenia não é necessariamente familiar. Portanto, é difícil dizer se uma pessoa é suscetível ou não.

No entanto, podemos estar atentos aos sinais de alerta. A maioria das pessoas com esse transtorno recebe um diagnóstico de esquizofrenia na adolescência ou no início da idade adulta. Além disso, o início é geralmente mais precoce nos homens do que nas mulheres. Os primeiros sintomas podem incluir:

  • Depressão;
  • Rejeitar relações e atividades sociais;
  • Dificuldade em expressar emoções corretamente;
  • Insônia ou muito sono;
  • Falar de maneira estranha ou irracional;
  • Esquecimento e incapacidade de concentração;
  • Comportamento de forma suspeita ou hostil;
  • Higiene pessoal reduzida.

A esquizofrenia é hereditária e cerca de 80% da responsabilidade é atribuída a fatores genéticos. O risco genético pode surgir de duas maneiras: a interação de variantes comuns de muitos genes, cada uma com pouco impacto, e a rara ocorrência de variantes genéticas, como deleções ou duplicações.

Fatores de risco ambientais trabalham em conjunto com fatores genéticos para contribuir para a esquizofrenia. As consequências do uso de cannabis podem ser graves em uma pessoa que já possui fatores de risco genéticos.

Por exemplo, evidências sugerem que ter um histórico familiar de esquizofrenia ou uma personalidade paranoica ou “psicótica” aumenta o risco de desenvolver esquizofrenia. Adolescentes que têm esses traços também são mais propensos a psicose do que adolescentes sem esses traços se fumarem maconha.

É biologicamente possível que a maconha possa causar transtornos psicóticos?

Sim. Os cientistas do cérebro sabem muito pouco sobre a biologia subjacente aos estados psicóticos, exceto que provavelmente existem centenas de variantes genéticas comuns em jogo. Por exemplo, a esquizofrenia não é um distúrbio unitário, mas um termo geral que abrange uma série de problemas inexplicáveis, incluindo psicose recorrente e outros sintomas comuns.

No entanto, há indícios de um mecanismo biológico. Os transtornos psicóticos tendem a aparecer no final da adolescência ou início da idade adulta, durante ou após períodos de rápido desenvolvimento cerebral. Durante a adolescência, o cérebro limpa conexões desnecessárias ou desnecessárias entre as células cerebrais em um processo chamado poda sináptica.

Esta versão se concentra no córtex pré-frontal, a área atrás da testa onde o pensamento e o planejamento ocorrem, e a área mudou sob condições psicóticas. A região é rica nos chamados receptores CB1, que estão envolvidos na poda e são ativados pelo uso de cannabis.

E mudanças no processo de corte podem aumentar o risco de esquizofrenia, de acordo com um estudo recente do Broad Institute of MIT e Harvard. Em uma análise de 2016, os pesquisadores descobriram que as pessoas com esse distúrbio geralmente têm uma variante genética que parece acelerar o processo de poda.

Substância da maconha pode ajudar no tratamento de esquizofrênicos

A substância da maconha pode ser usada para tratar a esquizofrenia, com a vantagem de causar menos efeitos colaterais do que os antipsicóticos existentes, de acordo com um novo estudo.

Embora a maconha possa causar sintomas psicóticos, os cientistas acreditam que eles são causados ​​principalmente por um de seus ingredientes. Pelo contrário, amortece seu efeito e tem potencial terapêutico.

Os níveis de tetrahidrocanabinol (THC), principal ingrediente ativo da planta que pode desencadear psicose, eram altos nos pacientes. Raramente, descobriu-se que o canabidiol (CBD) tem efeitos benéficos. Isso pode significar que os usuários de drogas estão expostos a doses mais altas do componente nocivo e menos do outro.

“Pode haver bons e maus relacionamentos na ‘cannabis’. Ruim é o THC. No entanto, existem estudos que mostram que o CBD pode prevenir sintomas psicóticos, como mostra nosso próprio estudo”, diz Markus Leweke, da Universidade de Colônia, na Alemanha.

Leweke investigou os efeitos do CBD em 42 pacientes com esquizofrenia aguda. Um grupo recebeu CBD enquanto outro foi tratado com o medicamento antipsicótico de referência, o Amisulpride.

Após o tratamento, ambos os grupos apresentaram menos sintomas. Mas o primeiro também experimentou menos efeitos colaterais. O Amisulpride pode causar ganho de peso, disfunção sexual e problemas hepáticos.

Ainda não há estatísticas oficiais, mas um crescente corpo de evidências sugere que a maconha pode causar psicose e esquizofrenia. Segundo os cientistas, há evidências de que um número crescente de jovens desenvolve esquizofrenia como resultado do uso de drogas.

Dois artigos apresentados na conferência fornecem novas evidências da ligação entre o THC e as psicoses. Philip McGuire e Zerrin Atakan, do Instituto de Psiquiatria, usaram imagens de ressonância magnética para escanear o cérebro de pacientes que receberam THC.

Os cientistas descobriram uma diminuição da atividade em uma área do cérebro onde o comportamento inadequado normalmente é inibido. Portanto, os pacientes tornaram-se mais paranoicos.

Qual a importância da comunidade terapêutica no tratamento para dependentes químicos

  • Ambiente controlado: A Comunidade Terapêutica Instituto ABBA PAI oferece um ambiente controlado onde os acolhidos podem se concentrar em sua recuperação sem as distrações e tentações do mundo exterior.
  • Acesso a profissionais especializados: A Comunidade Terapêutica Instituto ABBA PAI possui uma equipes multidisciplinares de profissionais, incluindo médicos, psicólogos, terapeutas ocupacionais e conselheiros, que podem trabalhar juntos para tratar a dependência química e os transtornos mentais.
  • Programas de tratamento personalizados: A Comunidade Terapêutica Instituto ABBA PAI oferece programas de tratamento personalizados para atender as necessidades individuais dos acolhidos.
  • Apoio contínuo: A Comunidade Terapêutica Instituto ABBA PAI oferece acompanhamento pós-tratamento para ajudar os pacientes a manter seus progressos e evitar recaídas.
  • Ajuda a lidar com o estigma: A Comunidade Terapêutica  Instituto ABBA PAI ajuda os acolhidos a lidar com o estigma associado à dependência química e aos transtornos mentais, e a se sentirem mais confortáveis em pedir ajuda.

Comunidade Terapêutica ABBA PAI

A Comunidade Terapêutica Instituto ABBA PAI, foi fundado em 2012 como objetivo ser tornar referência no acolhimento de dependentes químicos e alcoólicos. Disponibilizamos 84 leitos para atender usuários de substâncias psicoativas (álcool e outras drogas), do sexo masculino com idade entre 18 e 60 anos, oferecendo acomodações amplas e confortáveis.

Nosso programa de acolhimento, baseado nos 12 Passos de Narcóticos Anônimos e Alcoólicos Anônimos, busca desenvolver uma nova maneira de viver, com alegria, sem necessidade do uso de substâncias.

A rotina diária do Instituto ABBA PAI, envolve atividades que incentivam o desenvolvimento de uma vida saudável, com disciplina, horários, regras e normas que visam conduzir o acolhido a se auto disciplinar e valorizar o tempo, as pessoas e os recursos que estão ao seu redor. Como chegar? clique aqui

Entre em contato hoje mesmo e tire todas suas duvidas com um de nossos profissionais especializados em dependência química e alcoólica. É possível viver sem drogas, perder o desejo de usar e encontrar uma nova maneira de viver!